conduta
in , ,

Problemas com a conduta de nossos filhos: Como agir

É muito difícil observar como nossos filhos e filhas têm problemas de conduta e precisamos ajudá-los. Neste post, tentarei ajudá-lo a saber como focar a situação e onde obter ajuda.

Importância da socialização em um menino ou menina.

Como pais, estamos preocupados com todos os aspectos de nossas filhas e filhos. Queremos saber se meu filho não se relaciona bem com seus colegas ou não. As relações sociais com seu grupo de colegas são um dos aspectos que observamos com preocupação quando consideramos que eles não funcionam de maneira saudável. Queremos que nossos filhos se relacionem corretamente,

Que eles são valorizados por seu grupo e que valorizam o resto de seus colegas de classe. Que eles não sofrem agressões e que não acrescentam a outros companheiros. Isso é integrado. Tem amigos.
E encontramos muitos casos em que essas relações sociais de nossos filhos ou filhas não são tão funcionais quanto gostaríamos.

Aqui eu preciso parar no caminho e deixar um aviso claro para todos os pais e mães que leem este artigo. Seus filhos e filhas não serão como você espera que sejam. Como pais e mães, devemos ter certeza de que nossos filhos não serão as pessoas que sonhamos que são.

Todo menino e menina têm personalidade e nunca ou quase nunca atendem às expectativas que seus pais depositam neles. Sempre gostaremos que eles sejam mais responsáveis, ou mais sociais, ou mais organizados, ou mais inteligentes, ou esportistas, ou mais.

Assim, quanto à sua maneira de se relacionar e socializar, como mãe ou pai, você terá que estar atento para apoiar, fazer com que se sinta amado, para expressar o que a preocupa, mas. A razão para intervir é que os relacionamentos sociais deles são disfuncionais, não que eles não sejam como você pensa que deveriam ser. O importante da conduta nas relações sociais das crianças não é que elas sejam muitas ou poucas, que não sejam “populares” ou não, ou que sejam muito extrovertidas ou introvertidas.

O importante é que as relações sociais sejam satisfatórias, saudáveis ​​e lhes proporcionem valores positivos na construção da pessoa que são e serão.

Como melhorar a socialização em crianças

Se considerarmos o exposto, valorizamos que nossa filha ou nosso filho não tenham interações sociais suficientes ou que não sejam satisfatórias, como pais, devemos e podemos ajudá-los. Podemos ajudá-los e ensiná-los estratégias para fazer amigos. Podemos nos encontrar e conversar com os professores para nos ajudar.

A propósito, quando você fala com os professores de seus filhos ou filhas, por conduta, geralmente é mais interessante ouvir o que eles dizem do que ir e contar o que acontece. Não se esqueça de que eles são especialistas em treinamento e experiência em educação infantil e sua avaliação geralmente é correta.

Podemos gerar espaços para ouvir e comunicar em casa para nos contar o que está acontecendo e o que você sente. Podemos gerar interações controladas (com filhos ou filhas de amigos e familiares para testar sua conduta) e podemos procurar grupos que apoiem ​​sua socialização de maneira satisfatória (por exemplo, grupos do tipo escoteiro costumam ir muito bem para meninos e meninas com dificuldades em se relacionar).

E se, como mãe ou pai, você detecta que existe um problema e não sabe como ajudar seu filho ou filha, o mais inteligente é procurar ajuda e orientação profissional.

Meu filho é violento comigo: como enfrentar essa conduta

Não há poucos casos de pais que chegam desesperados à consulta porque não conseguem prestar atenção ao filho. Quando eles não conseguem o que querem dos pais, eles os insultam e, em alguns casos, são violentos e ameaçadores. Finalmente, eles conseguem o que querem (dinheiro, deixá-los sair para a festa, deixá-los sair do carro, …) porque é a única maneira dos pais resolverem a situação. Além disso, é comum que sejam maus alunos (ou se tornaram maus alunos nos últimos tempos) e que não aceitem as regras de ninguém.

Eles simplesmente fazem o que querem sem conduta. Geralmente esses pais vêm à consulta solicitando que o psicólogo veja o filho, mas ele se recusa a fazer terapia, quando, na verdade, os primeiros que precisam de apoio psicológico e aprendem a resolver esse problema são os pais. De repente, aquela garota ou aquele garoto fofo, que nos fazia rir com as ocorrências dele e que eu sempre estava disposto a dizer “eu te amo” enquanto procurava seu abraço, tornou-se um tirano grosseiro que não hesita em pegar trapos sujos ou ameaçá-lo Para atingir seus objetivos.

Como esses pais não precisam de apoio psicológico? A boa notícia é que ainda temos tempo para agir para corrigir esse comportamento. A má notícia é que será difícil e difícil, mas que mãe ou pai não está disposto a lutar pelo bem de seus filhos? Vou explicar como lidar com essa situação.

Etapa 1: extinguir comportamentos indesejáveis

Seu filho aprendeu que a violência é uma maneira útil de conseguir o que deseja. Ele sabe que “agrupá-la” leva você a dar dinheiro ou deixá-lo sair, então ele repete esse comportamento toda vez que você nega algo a ele. O primeiro passo é parar de ceder à sua violência. Seu filho precisa aprender a ter conduta, por mais que grite, chute e ameace, ele não receberá nada dos pais. E se para impedir que a casa nos destrua ou nos ataque, você deve ligar para a polícia, então deve ligar para ela. Nenhum pai quer denunciar o filho, mas o preço de “ceder e deixá-lo se safar está ajudando seu filho a se tornar um criminoso. Eu já avisei que não seria fácil

PASSO 2: Estabeleça regras e limites claros

É necessário que o jovem saiba claramente quais comportamentos ele pode fazer e o que você não está disposto a tolerar como pais. Regras claras são o melhor favor que você pode fazer para que seu filho o ensine a se comportar corretamente. Não é necessário definir muitos padrões, mas é claro que eles são obrigatórios. No caso de um adolescente, é necessário, no mínimo, estabelecer:

Quanto dinheiro você terá
Quais horários você precisa cumprir?
Que trabalho doméstico é de sua responsabilidade.
Que responsabilidades você tem (estudo, trabalho, …)
Não vamos consentir com esses limites e teremos que ser muito inflexíveis ao aplicá-los (já que estamos em processo de reeducação, não podemos deixar passar).

PASSO 3: mantenha sua palavra

O jovem aprendeu a pular os limites e está acostumado às ameaças de seus pais não serem cumpridas e, eventualmente, cederem à violência. É essencial cumprir o que foi dito para que você comece a aceitar a autoridade de seus pais. Ameaçar com grandes punições (você não vai sair de novo, eu não vou te dar um duro, você não vai voltar para esta casa, …) e não cumpri-los só serve para acabar levando seus pais para o pau sereno. Se você notificar com uma punição, cumpra-a. Mas antes de liberar a grande ameaça, seja claro se você será capaz de aplicá-la.

PASSO 4: Fortalecer os comportamentos corretos

Da mesma maneira que não vamos consentir com os comportamentos que queremos deixar de fazer, recompensaremos e reforçaremos os comportamentos positivos e desejáveis ​​que seu filho tem. A questão não é se tornar “os bandidos do filme”, ​​mas transmitir uma mensagem clara de como esperamos que ele faça as coisas. A firmeza e o amor são um bom modelo para educar as crianças, e elas precisam aprender quais serão seus comportamentos com firmeza e quais com amor.

E NUNCA: use violência

Quando uma mãe diz: Meu filho é violento, a situação é realmente complicada há muito tempo. Na linguagem da violência, ele sempre vence, por isso não adianta gritar, insultar ou tornar-se agressivo, porque a única coisa que os pais vão conseguir é perder a autoridade que têm.

Se você se encontrar em uma situação semelhante, recomendo que comece a enfrentá-lo a partir de hoje e procure ajuda profissional para ajudá-lo a elaborar o plano de intervenção e acompanhá-lo durante um processo difícil.

Veja também…

Deixe uma resposta

ser feliz

Como ser feliz sem ganhar na loteria

a psicologia

A Psicologia mal entendida: carta aberta aos coach’s de fim-de-semana