pensar
in , ,

Como deixar de pensar tanto: 10 dicas contra a ruminação

O poder de imaginar foi um grande avanço evolutivo, fazendo com que os seres humanos parem para pensar e não só viver o momento, mas também lembrar de situações passadas e questionar futuras.

Mas isso não é totalmente bom. Às vezes, lembrar o que já foi vivido, ou pensar no que pode acontecer fazem da mente, que tão libertadora podia parecer, em princípio, a verdadeira prisão de nossa espécie.

A nossa mais alta capacidade se torna uma armadilha, fazendo-nos entrar em um loop de ruminação e pensamentos obsessivos, que podem ser uma armadilha. Perante este tipo de situações é quando nos questionamos em como deixar de pensar tanto, e este artigo pretende ser a resposta tão complexa questão.

Quando pensar muito se torna em algo prejudicial

Como já estávamos comentando, às vezes, o pensamento se torna em algo que não se pode chegar a controlar, especialmente quando a preocupação está falando.

Os pensamentos obsessivos começam a ocupar todo o espaço da mente, fazendo com que a pessoa não possa deixar de centrar a sua atenção em fatos negativos, sejam eles passados ou dos que possam ocorrer no futuro. Isto é fonte de mal-estar, manifestado na forma de ansiedade, irritabilidade e tristeza.

Acabe com pensamentos negativos

Quando se fala de pensar demais em algo ruim, não se pode ignorar o conceito de ruminação. O qual faz referência a quando o foco de atenção fica completamente centrado em um fato, seja ele real ou imaginário, o que produz certa sensação de desconforto. Neste caso, o pensamento não flui, fica preso em uma mesma preocupação, a qual vai se tornando uma obsessão.

A pessoa coloca todo o seu empenho em evitar que esses pensamentos intrusivos apareçam, mas parece que, por mais esforço que lhe dê com mais força, aparecem. Assim, se entra em um loop em que quem o está vivendo não consegue pôr fim, ficando completamente preso em um turbilhão de pensamentos asfixiantes.

Como deixar de pensar tanto? Algumas dicas

Está claro que a mente humana não tem um interruptor que a possa apagar, como o faríamos com um televisor. Nem é possível decidir qual o pensamento ver, como quem decide ver seu canal favorito no aparelho.

No entanto, é possível fazer com que os pensamentos preocupantes vão perdendo força, especialmente se deixamos de prestar atenção neles. Vejamos algumas estratégias úteis para fazer isso:

1. Não tentar parar de pensar

Embora pareça contraditório, uma das melhores coisas que se pode fazer para tentar parar de pensar tanto. Basta não ficar obcecado com deixar de pensar sobre o pensamento intrusivo.

Ou seja, se o pensamento recorrente aparece de forma súbita, ao tentar parar de pensar nele de forma consciente, tudo o que você vai fazer é torná-lo mais vivo.

O pensamento acabará desaparecendo em algum momento ou outro, por isso, o melhor é tentar ignorá-lo.

2. Não lhes deixa ficar

Estamos tranquilos em nossa sala de estar e, de repente, pensamos na incerteza que nos gera o não saber como vai acabar a situação política atual. Nos levantamos do sofá e começamos a pensar em possíveis cenários, cada qual mais catastrófico do que o anterior. Chegando ao ponto de pensar em que se pode iniciar até uma guerra civil.

Isso é um exemplo do que não se deve fazer. Se vem o pensamento, não se deve dar mais força, como quem lhe dê a lenha para o fogo.

O problema de pensar é que é algo que pode vir a ser viciante. Se ante o pensamento que gera ansiedade não se conseguiu encontrar uma resposta que dê calma, talvez, o melhor é esquecer-se de que exista uma solução.

3. Viver o momento sem pensar muito

Pode parecer um conselho barato e muito utópico, mas é algo plausível e eficaz. Se nos concentramos no que estamos fazendo no momento, por muito simples que seja, pode ser uma boa maneira de cortar o pensamento obsessivo.

Seja enquanto lavam os pratos, você está lendo um livro ou, simplesmente, estando na fila do açougue. Se está pendente do que se faz e de onde se está, vai tirar protagonismo ao pensamento invasivo.

Não é possível ser plenamente consciente de duas atividades ao mesmo tempo, por esse motivo, viver o momento é uma opção muito boa para tirar peso do que passou ou do que pode acontecer.

4. Não reagir emocionalmente

Isso talvez seja um pouco mais complicado, mas o ideal é que, diante da aparição de um pensamento obsessivo, mantenha a calma.

Se você reage, seja se irritando ou ficando triste, se entra em um loop em que busca mais razões para estar preocupado e, por cima, lhe dá maior gravidade ao pensamento.

O objetivo é deixar de prestar atenção, e isso implica também em não dar o gosto de causar nenhuma impressão emocional.

5. Ouvir música relaxante

Trata-se de uma opção simples, mas confortável e econômica. Especialmente se as canções não têm letra ou são cantadas em uma língua que não se entende.

Mas é uma situação um tanto rebuscada, pois é possível que ao ouvir uma música cantada na língua materna. Se mencionado algo que esteja relacionado com a preocupação e a pessoa entre em um loop constante nesse pensamento intrusivo.

A música relaxante, especialmente do gênero New Age, induz a uma atmosfera de relaxamento e distração, graças a seu grande número de instrumentos que imitam os sons da natureza.

6. Mudar de hábitos

É bastante possível que os pensamentos que nos preocupem estejam ligados a alguma ação que realizamos a cada dia, embora possa parecer que a sua aparência é totalmente aleatória e sem aparente razão.

Trabalhar a preocupação em si é algo bastante complicado, mas não é tanto o de fazer uma mudança nos hábitos da pessoa. É por isso que pode ser muito benéfico a fazer algumas pequenas mudanças no dia-a-dia, como por exemplo, frequentar novos lugares, retomar o contato com velhas amizades, em essência, submeter-se a novos estímulos.

Se a mudança se faz de forma radical, você deve ir com cuidado, dado que não é fácil introduzir vários hábitos novos de cada vez.

Ao se alcançar, pode ser uma grande fonte de libertação, uma vez que o que é novo tende a assumir maior protagonismo em nossa mente. Frente ao que é velho, no qual se encontram os pensamentos obsessivos, fazendo com que se preste atenção às novas experiências.

7. Propor uma nova meta

Muito relacionado com o ponto anterior, pode-se levantar a alcançar um objetivo novo, o que fará com que se lhe dedique uma maior atenção a este que não os pensamentos invasivos.

Não obstante, esta estratégia pode ser uma faca de dois gumes. Ao fazer mal, corre-se o risco de que seja um dos tantos projetos que a pessoa começou e que não conseguiu terminar, tornando-se, por sua vez, em um pensamento não-invasivo.

É por isso que a nova meta deve ser realista, embora também represente um desafio. Um exemplo deste tipo de projetos seria colecionar insetos, fazer uma maquete, obter o B2 de inglês…

Se a atividade for verdadeiramente agradável, a pessoa que lhe dedica não apenas a atenção enquanto se exerce a atividade, mas também, quando não está fazendo, acima de tudo, por ter a vontade de se dedicar a ela.

8. Mindfulness

Este tipo de técnica de meditação tem sido uma das mais estudadas no campo da psicologia e é por isso que se sabe que tem bastantes benefícios para a hora de reduzir a ansiedade e, ao mesmo tempo, os pensamentos obsessivos.

Durante as sessões em que se realiza esta atividade, você pode estar concentrado em sensações físicas, o controle da respiração, da voz, do que se encarrega da atividade… Se entra em um estado de profunda tranquilidade, em que parece que os pensamentos negativos vão se dissipando cada vez mais.

9. Exercício físico

Por todos é sabido que o exercício é um ótimo aliado da saúde tanto física como mental, e não pode faltar na hora de aprender a como deixar de pensar tanto em maus pensamentos.

Não só tem a grande vantagem de produzir endorfinas, mas que, além disso, especialmente em atividades dirigidas, permite centrar o foco em aspectos como a postura e a execução correta do movimento.

Além disso, uma vez concluída a sessão de exercício, os músculos, como as conexões nervosas se recupera, além de iniciar as alterações que são benéficos para o bom funcionamento do organismo.

10. Caminhar

Relacionado com o ponto anterior, o caminhar também é um aliado eficaz contra a intrusão de pensamentos indesejáveis.

Enquanto você está andando, não se movem as pernas apenas. A pessoa se fixa nos lugares que frequenta, embora o ideal é que, se você quer deixar de pensar em obsessões, visite um lugar bucólico, como um parque ou fazer uma visita à montanha, onde não há distrações, nem o barulho da cidade.

O ar fresco do campo tem um efeito calmante no organismo, além de que, por natureza, o ser humano associa a cor verde da grama com calma e bem-estar.

Por ser um ambiente diferente do que se está acostumado, especialmente se você é da cidade, ver flores e plantas silvestres permitem também descentrar a atenção da armadilha que pode chegar a ser a nossa mente.

Veja também…

Deixe uma resposta

a psicologia

A Psicologia mal entendida: carta aberta aos coach’s de fim-de-semana

saber perder

Como saber perder: 7 chaves para aprender a aceitar as derrotas