motivacao
in , ,

O que os especialistas sabem sobre a motivação

O que os especialistas sabem e definem a motivação como a disposição geral para fazer algo. É o conjunto das forças psicológicas que nos obrigam a tomar medidas. Uma descrição literal da palavra, pois motivação deriva do latim motivus, e significa ‘causa do movimento”.

As várias escolas de psicologia têm diversas teorias sobre como se origina a motivação e o seu efeito no comportamento. O autor Steven Pressfield em seu livro, “The War of Art”, mostra uma das mais fáceis. A teoria “natural vs. racional” é baseada no que a cognição humana. Se apóia em forças naturais: “Em algum momento, a dor de não fazê-lo torna-se maior do que a dor de fazê-lo”. É a mais antiga, óbvia e fácil de dominar. Alguém pode e quer fazer qualquer coisa quando não tem mais opção do que fazer. E o certo é que um monte de leis da produtividade se apoiam nisso. De alguma forma, mais cedo ou mais tarde você cruza um limite. Então, geralmente mental, depois de muita demora e a partir dessa data limite. Faz-se tão iminentemente doloroso não fazer o trabalho, que o sujeito termina por fazê-lo.

Mas nem sempre se pode depender desta death line. A saúde, o limite tende a ser bastante difuso, às vezes, para quando o corpo dá-lhe um toque de atenção. Aqui é onde os psicólogos passaram na última década: forçar o sujeito a cruzar o limiar por decisão consciente.

Leis da produtividade:

No processo foram identificados três fontes primárias de resistência a fazer as coisas:

Ter o que fazer: Ironicamente, a mesma obrigação que empurra ao limite, em última instância, trabalha em seu contra.

Muito poucas coisas criam resistência com a mesma eficiência do que ser obrigado a fazer algo. Às vezes até deixam de desejar coisas que você gosta quando se vê obrigado a fazer elas.

Quando você faz algo em que não acredita, em que não se sente envolvido ou se sente culpado ao fazê-lo, a motivação cai.
A sensação de que sem dúvida vai falhar porque você não está à altura da tarefa ou não sabe nem como começar. Então, fará-se com que qualquer distração pareça infinitamente mais interessante que a própria tarefa.

O que acontece no seu cérebro quando você está motivado

Normalmente está associada à dopamina com o prazer e a felicidade, mas parece que tem um efeito muito mais amplo do que isso. John Pacheco, professor de psicologia na Universidade de Connecticut, fez estudos com ratos durante os últimos 15 anos. Ainda assim, dedicava a elevar ou reduzir artificialmente os níveis de dopamina em animais, e seguida dar-lhes a escolher entre dois prêmios de valor diferente, que podem ser obtidos através de diferentes quantidades de trabalho.

Os estudos do Arquiteto mostraram que os animais com baixos níveis de dopamina, quase sempre escolhem o fácil, mesmo que a recompensa seja de baixo valor. Enquanto que os animais com níveis normais de dopamina exercem maior esforço por um prêmio melhor.

Até aqui o resumo é que a dopamina é bom e te faz trabalhar. Mas sempre? Não. Então, os especialistas do Vanderbilt demonstrou que a dopamina tem um forte impacto na vontade, mas apenas no lugar certo. Para chegar a esta conclusão, usaram tecnologia de mapeamento cerebral e analisaram os padrões do cérebro de pessoas dispostas a trabalhar duro por recompensas e outros mais “vagabundos” que não se declararem dispostos.

A equipe descobriu que os “ambiciosos” tinham níveis mais altos de dopamina nas partes que se encarregam de recompensa e motivação no cérebro —especificamente o núcleo estriado e córtex pré-frontal, educação física—. Os “vagabundos”, por outro lado, tinham um maior nível de dopamina na área do cérebro associada com a emoção e o risco —a insula anterior.

Isso mostra que não é apenas uma questão de aumentar os níveis de dopamina em geral. Consumindo “conteúdo motivador” a dopamina sobe, mas pode perfeitamente ir para a insula anterior e produzir apenas uma resposta emocional, que se esfumaçará. O que os especialistas agora estudam como orientar a produção de dopamina nas áreas direitas do cérebro com o fim de ajudar as pessoas a superar a depressão, a falta de energia e de outros problemas médicos associados com este neurotransmissor, entre eles, a motivação.

Motivar-se antes, durante ou depois:

Uma das coisas mais surpreendentes sobre a motivação é o que muitas vezes vem depois de começar o comportamento, não antes. Temos essa ideia errada de que a motivação vem como resultado de consumir um vídeo motivacional ou ler um livro de inspiração e então e só então, estaremos prontos para a tarefa. Vamos lá, esperamos estar motivados para começar. No entanto, a inspiração ativa pode ser melhor motivador, pois, ao que parece, os picos de dopamina autoinduzidos, anteriores à ação, desaparecem no momento em que a ação começa. A motivação passiva produz picos muito baixos, dura praticamente apenas na medida em que a está consumindo.

Isso ocorre, segundo Os que os especialistas sabem, porque se cria um “corte” no estado mental. A motivação é frequentemente o resultado da ação, não a causa da mesma. Um guia de início rápido, mesmo que de forma muito humilde, que permita sentir a satisfação de estar cumprindo”, é uma forma de inspiração ativa que produz, naturalmente, um impulso de dopamina, maior e mais duradouro.

Neste sentido, os atletas de elite, não sei se com ou sem conhecimento de causa, têm rituais, que se encaixam perfeitamente com a teoria científica. Os “pré-jogo da marca rituais” ajudam concentrar-se na execução, e começar com uma atitude positiva sobre as próprias habilidades. Em resumo, é “entrar” no papel do atleta e os especialistas: levar a cabo uma série de ações, que vão lembrar o porquê você faz o que você faz e se iniciarem na atividade. Isso tem suas vantagens, porque não precisa, na verdade muita motivação, uma vez foi o início de um comportamento. Quase a totalidade da fricção de uma tarefa está no início. Depois de iniciar, o progresso ocorre de forma mais natural.

Afazeres os especisliastas:

Pois bem, a chave para qualquer bom ritual é eliminar a necessidade de tomar uma decisão: que seja um hábito. Isso faz com que seja mais provável seguir em frente independentemente dos níveis de motivação. O associado a rotinas regulares reduz ao mínimo o número de decisões que devem ser tomadas, o que nos permite guardar a energia para usos mais importantes. E há uma série de estudos de investigação para apoiar esta afirmação, mas o melhor argumento é, sem dúvida, a primeira lei de Newton aplicada para a formação de hábitos: “Os objetos em movimento tendem a permanecer em movimento”. Uma vez que uma tarefa já começou, é mais fácil continuar.

Este processo, além disso, representa a intersecção entre a motivação e força de vontade. Uma das descobertas mais interessantes dos últimos anos tem sido a constatação de que a força de vontade é um recurso finito. Quer dizer, que você só tem uma certa quantidade de força de vontade, e uma vez que se tenha esgotado esse fornecimento, você vai se sentir muito menos capaz de fazer as coisas bem. Neste sentido, este estudo da Universidade de Columbia, em que estudaram juízes, é um dos melhores exemplos da fadiga na tomada de decisões, embora estas sejam importantes. Em essência, nos ensina que por os especialistas mais decisões que tomemos, o mais provável é que nos fatiguemos por estas opções, a nossa força de vontade diminua e a nossa capacidade de seguir em frente, desça, até que tomemos sistematicamente a opção mais fácil, embora seja incorreta.

O que posso fazer para motivar-me?

Três coisas fundamentais:

a) mover-se por processo, não por objetivos;

b) seguir o mesmo padrão de cada vez —a não ser que tenha algo que mudar— e;

c) agir em ordem de prioridade, então, se a motivação acaba, o importante estará feito.

Com bons os especialistas “ritual pré-jogo”, tão fácil que não se possa dizer que não, deveria ser desnecessária a motivação para iniciar e, em seguida, ser mais fácil continuar. Por sua parte, seguir o mesmo padrão cada vez se refere ao propósito principal de uma rotina: criar uma série de eventos encadeados que se realizem sempre antes de realizar uma tarefa específica. Com o tempo, se liga tanto ao desempenho que é feito de forma automática, da mesma forma que acontece com os maus hábitos. Em relação à prioridade, é simplesmente a lei de Hofstadter, ou como sempre tudo vai ser pior do que você pensa, portanto, o mais importante deve ir primeiro para antecipar a probabilidade, mas é quase certo que a nossa vontade do dia não seja suficiente.

Leia mais em:
https://tr3fit.xyz

Deixe uma resposta

silencio absoluto

Silêncio absoluto – Entenda como a mente funciona nesse estado